Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Municípios Histórico dos municípios alagoanos Histórico de Porto Real do Colégio

Histórico de Porto Real do Colégio

Histórico, Gentílico e Formação Administrativa de Porto Real do Colégio/AL

O povoamento de Porto Real do Colégio remonta aos meados do século XVII. Diferentes tribos de índios, entre estas as Tupinambás, Carapotas, Acoranes ou Aconãs e Cariris habitavam a região. Elas viviam da caça, pesca e da lavoura. Os bandeirantes da Bahia em demanda no Nordeste que desciam o rio São Francisco em companhia dos padres jesuítas, encarregados da catequese dos “gentios”, foram os primeiros civilizados a pisar o aldeamento que ficava à margem do grande rio, deixando aí o primeiro marco da civilização. Conta-se que esses bandeirantes e jesuítas adquiriram na referida região uma extensa faixa de terra a qual denominaram-se “Urubu-Mirim” para diferenciar de Urubu, hoje Propriá. Os jesuítas conseguiram aos poucos fixar as tribos indígenas nos arredores da sede, apesar das lutas travadas entre os Cariris, os Aconãs e os bandeirantes recém chegados à região.

Os jesuítas erigiram na povoação, no cimo de uma colina, uma capela rústica sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição, em torno da qual começou a florescer o novo núcleo populacional. Nos meados do século XVII fundaram um convento e um colégio em frente a capela, hoje matriz de Nossa Senhora da Conceição, do lado sul da margem esquerda do rio São Francisco. Neste colégio, diz Pedro Paulina da Fonseca, no seu livro “Conventos em Alagoas”, ensinavam-se línguas; entre elas o latim.

De um modo geral, o povoamento de Porto Real do Colégio foi resultado da fusão das três raças que colonizaram o Brasil, o branco desbravador; o negro, elemento próprio para o trabalho agrícola e o índio, dono da terra. O nome verdadeiro deveria ser Colégio do Porto Real, pois o povoamento se originou do Colégio dos jesuítas que tinha o nome de “Real”. Há mesmo documento onde lhe é dada aquela denominação, como é o caso de Lei Nº 702, de 19 de maio de 1875, onde o vice-presidente da província das Alagoas, bacharel Felipe de Melo Vasconcelos, no artigo 1.º da citada Lei, diz, “fica criada a freguesia de São Brás desmembrada do Colégio do Porto Real…”

Gentílico: colegiense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Porto Real do Colégio, em 1795.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Porto Real do Colégio, pela lei provincial nº 737, de 07-07-1876, desmembrado de Penedo. Sede na povoação de Porto Real do Colégio. Instalado em 18-11-1876.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE

Patrimônio histórico e artístico

  • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição - não se sabe ao certo o século da fundação. De valor artístico e histórico, as imagens de Nossa Senhora da Conceição (padroeira), Jesus Crucificado, Santo Antônio, São José e São Vicente estão nos principais altares do interior do templo.
  • Conjunto arquitetônico da praça Rosita de Góes Monteiro - onde estão situadas a Cadeia Pública, Casa Paroquial, Prefeitura e outros casarões em estilo colonial, alguns se transformando em ruínas.
  • Conjunto arquitetônico da antiga Rede Ferroviária - formado pela estação e armazéns.
  • Coreto - da praça Rosita de Góes Monteiro.

Patrimônio natural

Rio São Francisco e ilhas fluviais.

Potencialidades turísticas

Porto Real do Colégio tem no rio São Francisco o seu maior potencial para o desenvolvimento do turismo. Os passeios de canoas à vela ou motor, as praias formadas pelas coroas da areia no leito do rio, a visita à aldeia Kariri-Xocó, onde os índios praticam danças tradicionais como o Toré e desenvolvem o artesanato em barro, coco, madeira e ossos são as grandes opções do município.

Artesanato

  • Madeira - artesanato indígena da aldeia Kariri-Xocó (cachimbos peças decorativas e enfeites);
  • Coco/Semente/Osso - peças decorativas, enfeites e adornos (indígena);
        Linhas/Bordados/Tecidos - redendê, ponto de cruz e crochê;
  • Palha - peneiras, vassouras, espanadores;
  • Cipó - balaio, cestos, armadilhas de pesca;
  • Barro - cerâmica indígena pintada com "Tauá" (espécie de calcário utilizado nas pinturas de potes, moringas, pratos e panelas).
     

Artes plásticas - Os artistas mais conhecidos na cidade são:

  •     Múcio Neimayer (telas e caricaturas)
  •     Orlando Santos (trabalha com óleo sobre tela, tem no Cubismo sua maior característica, reside atualmente em Maceió)
  •     Antônio Jorge Maia (pintor, escultor e arquiteto, já falecido)
  •     Antônio Januário (escultor e pintor, autor da bandeira do município, já falecido).
     

Folclore - Folguedos e danças - Danças indígenas, coco e quadrilhas juninas.

MÚSICA - João do Pife

http://youtu.be/AwzTecn9jpc

Nome completo: João Bibi dos Santos
Nome artístico: João do Pife
Data de nascimento: 01/07/1932
Local: Porto Real do Colégio/AL
Data de falecimento: 6 de fevereiro de 2009
Local: Maceió/AL
Gênero: Forró (Instrumental)

Ações do documento