Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Zagallo

esportista

 (Maceió, 9 de agosto de 1931)

ZagalloMario Jorge "Lobo" Zagallo foi jogador,  treinador, supervisor técnico e comentarista esportivo. Alagoano de Maceió, o ex-jogador Zagallo foi criado no Rio de Janeiro e deu início a sua carreira nos idos de 1950 jogando como ponta-esquerda pelo saudoso América (RJ).

Bastante jovem, em 1951 transferiu-se para o Flamengo e passou a se projetar no futebol brasileiro. Foram sete anos na Gávea, período em que atuou em 217 partidas vestindo o Manto. Ao lado de craques como Evaristo, Dida e Joel, formou no Flamengo um ataque que manteve uma hegemonia no futebol carioca durante a década de 50. Foi ainda tricampeão carioca no Rubro-Negro, conquistas que fizeram com que o Mário Jorge Zagallo ganhasse uma vaga na Seleção Brasileira. Com ele o Brasil inovou taticamente e jogou em 1958 no esquema 4-3-3, pois Zagallo era um ponta esquerda que recuava para ajudar no meio-de-campo.

Era o armador pela esquerda, o desafogo da defesa, o idealizador do contra ataque, o ajudante no lateral, o formiguinha do time brasileiro campeão do mundo em 1958. Nessa Copa e na seguinte (1962) deixou na reserva Pepe, grande astro do Santos e companheiro de Pelé, além de desbancar o badalado Canhoteiro do São Paulo.

No ano em que se sagrou campeão mundial pela primeira vez, trocou o Mais Querido do Brasil pelo rival Botafogo que tinha nomes como Garrincha, Didi e Nilton Santos. Ficou no clube de General Severiano até pendurar as chuteiras no ano de 1965, antes disso porém, ainda conseguiu faturar o bicampeonato Carioca de 1961 e 1962 pelo clube da estrela solitária.

Como treinador 

Ao pendurar as chuteiras, Zagallo se tornou treinador de futebol, e começou justamente no time em que parou a carreira de jogador, o Botafogo. Sua grata experiência com o time juvenil do clube carioca e depois com o profissional, onde inclusive faturou o Campeonato Carioca de 1968, fez com que Zagallo fosse visto como potencial nome á substituir o então treinador do time canarinho, João Saldanha, que vinha colecionando maus resultados.

Assumiu a Seleção Brasileira de 1970 e conduziu o time ao comemorado tricampeonato mundial no México, fazendo vibrar o país que havia passado a copa de 1966 em branco, e que agora, se consolidava como granade força do futebol mundial. Agora, tricampeão mundial, duas vezes como jogador e uma como treinador, o superticioso Zagallo se manteve a frente do scratch verde e amarelo até a Copa do Mundo de 1974 disputada na Alemanha.

Na Copa da Alemanha de 1974, Zagallo viu seu time ser eliminado nas semi-finais pelo poderoso time Holandês que formou o histórico esquema tático conhecido por "Carrosel Holandês". Aquela Copa, porém, seria vencida pelos anfitriãos capitaneados por Franz Beckenbauer.

Foi ainda naquele período em que Zagallo apareceu pela primeira vez como técnico do Flamengo. Substituiu Fleitas Solich e revezou de posição com Joubert de Janeiro de 1972 até Dezembro de 1973. Neste período, cada um dos dois dirigiu o Fla em três oportunidades distintas. Foi aliás, neste período, em que o ídolo maior do Flamengo foi revelado - Zico.

Treinou na sua vasta carreira os times do Fluminense, Vasco da Gama, Al Hilal, Bangu e Portuguesa. Passaram ainda pelo seu crivo, as Seleções do Kuwait, da Arábia Saudita, e dos Emirados Árabes Unidos.

Em 1984 voltou ao Flamengo, que já não mais tinha Zico, sua estrela maior, então recém-transferido para o clube italiano da Udinese. Sem a sua maior arma, o time de Zagallo conquistou apenas uma Taça Guanabara e ainda sim, o técnico se manteve na equipe por mais de um ano, desligando-se em meados de 1985.

No ano de 1994, já com um currículo invejável, Zagallo foi convidado pelo seu preparador físico de outrora, Carlos Alberto Parreira, para ser seu axiliar na Copa do Mundo de 1994. Lá estaria mais uma vez, o Velho Lobo no comando da Seleção Brasileira em uma Copa e, vinte e quatro anos após a conquista do tri, viria enfim, o tetracampeonato.

Assim, Zagallo foi o primeiro jogador a ganhar a Copa do Mundo como jogador (Copa de 1958 e Copa de 1962), como técnico (Copa de 1970) e ainda como parte da comissão técnica da Seleção que ganhou a Copa de 1994.

Repetiu a dobradinha vitoriosa de 1994 na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, mas não obteve sucesso. Oito anos antes, ainda havia treinado mais uma vez o Brasil em uma Copa do Mundo, todavia, depois de uma decepcionante final contra a Seleção da França, o Brasil ficou apenas com o segundo lugar da Copa do Mundo de 1998. Foi, aliás, naquela competição que uma frase de Mário Jorge Zagallo ficou famosa. Irritado com a desconfiança da torcida brasileira, ao chegar à final do certame, Zagallo desabafou e mandou um recado á torcida em entrevista: "Vocês vão ter que me engolir".

A última passagem de Zagallo como treinador do Flamengo foi em 2001. 46 Anos após conquistar o tricampeonato carioca como jogador, Zagallo voltou ao Flamengo para dar à Nação Rubro-Negra um dos mais emocionantes títulos já conquistados na história do Clube: o tricampeonato 1999/2000/2001, sobre o arqui-rival Vasco da Gama.
Ações do documento