Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Programas e Ações Mapeamento Cultural Cultura Popular Mestres dos Saberes Mestres de Embolada Lourival Severo de Oliveira - M. Lourinho

Lourival Severo de Oliveira - M. Lourinho

Mestre de Embolada / Maceió - Alagoas - Região Metropolitana

Nome: Lourival Severo de Oliveira - M. Lourinho

Data de nascimento: 20/10/1939

Endereço: Rua Aurora, 103, Conj. Paraiso do Horto - Chã da Jaqueira, Maceió - Alagoas

Localidade: Região Metropolitana

Contato:  (82) 9963-3872

Histórico: Nasceu no dia 20 de outubro de 1939, no povoado Branca de Atalaia/AL, filho de Honorato Severo de Oliveira e de Joana Maria da Conceição.

    Aos sete anos de idade dançou como pastor, em Atalaia e Branca de Atalaia, no pastoril do Sr. Sebastião e no pastoril da mestra Julita, até aos 12 anos.

    Já rapaz, começou a dançar e cantar sulandá, espécie de embolada:
    “Ou sulandá
    A sulandá não me deu
    Sulandei
    A sulandá não me dá
    Sulandá
e continua o improviso, sempre depreciando o parceiro de embolada.

    Com este aprendizado iniciou sua caminhada cantando e dançando o chamado “pagode barreiro”, pagode cantado na tapagem de casa de taipa.

    “Quando tinha um pagode, chamava a gente para cantar e dançar, em Atalaia e nas Fazendas Gavião, Assunção de Maria, Arrancador e Estrela, era só festa e animação, tempo muito bom de se viver”.

    Posteriormente passou a cantar, durante vários anos, com o embolador Juca Deoclécio, da Branca de Atalaia e com o grande cantador Elizeu, da Fazenda Pirajá.

    Vindo residir em Maceió, fez parceria com os mestres Manoel Venâncio e Verdelinho.

Hoje, com o falecimento dos amigos e parceiros, canta sozinho.

“Eu aqui estou achando bem melhor
Eu aqui tenho amigo e freguês
Saí da terra que nasci e me criei
Vim morar no bairro de Maceió
Estou morando no Paraíso do Horto
Por que lá não deixei o satanás
Sempre lá gostei de improvisar
Pra morar na Branca, não volto mais”

E lança o “mote”, em forma de desafio:

“Com 15 anos eu vivia no paraíso da mocidade
Com 45 a velhice me procurou
Quando eu me lembro do meu tempo de criança
A lágrima mina tão quente
Enxuga e não cai no chão”

Fonte: NOVAES, Josefina Maria Medeiros. ASFOPAL - Associação de Folguedos Populares de Alagoas - 25 Anos Brincando Sério. Maceió: Gráfica do Estado/CEPAL, 2010.

Ações do documento