Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2019 setembro A música e o vento do destino em Causos do Chau
20/09/2019 - 09h11m

A música e o vento do destino em Causos do Chau

Show de Chau do Pife será apresentado no Complexo Cultural Teatro Deodoro nesta sexta-feira (20), às 20h

A música e o vento do destino em Causos do Chau

Texto de Ulisses Abílio*

 

Era final da década de 1950 e ao sul do Estado de Alagoas, em Boca da Mata, nascia um menino de nome de santo, José, enquanto pássaros assobiando previam seu futuro. José foi crescendo e ganhou uma tarefa: espantar passarinho do roçado e para isso ganhou um apito de taboca, um instrumento híbrido entre apito e flauta.  Deu-se, então, a primeira descoberta de um jogo de imitação entre o menino e os pássaros, que do apito pulou para uma flauta de pífano do pai para acompanhar melhor a harmonia dos assobios.

Aos 12 anos, José saiu de casa para viver de música e ganhou o apelido de Chau. O primeiro show foi feito aos 14 anos, com um pífano feito por ele mesmo, improvisando músicas de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Jacinto Silva. O menino José se tornou Chau do Pife e, em 1984, foi morar na capital alagoana, dormiu ao relento, e animou festas da periferia com o Trio Catuaba.

O talento dele era inegável, admirado por pessoas de todas as idades, conquistadas pelo som da flauta e pelo carisma singular. Assim, foi ganhando destaque até que em 2002 lançou seu primeiro CD chamado Memória dos Pássaros, homenageando suas professoras aves. Outros CDs não demoraram muito para chegar: Ninguém Anda Sozinho (2006), Chau no Capricho (2008), que foi gravado ao vivo no Teatro de Arena Sérgio Cardoso, e, em 2011, gravou no Teatro Deodoro, também ao vivo, o quarto disco Cheiro de Mato. Um ano após, em 2012, recebeu o título de reconhecimento para cultura popular de Mestre do Patrimônio Vivo de Alagoas.

Estas histórias, como tantas outras da vida de Chau, serão o mote para um show descontraído e cheio de afeto que será apresentado na próxima sexta-feira, dia 20 de setembro. O show Causos do Chau, na Sala de Música do Complexo Cultural Teatro Deodoro, Centro de Maceió, será um acústico para que o público sinta toda a musicalidade dele e seus companheiros de palco. Estes serão Alex, Irineu e Edinho, o trio de zabumba, sanfona e triângulo.

O espetáculo será conduzido pelo próprio Chau, que garante animação e momentos de emoção em um show repleto de memória: “São histórias da minha vida, as coisas boas que passei; quando eu chorei e, depois, o vento do destino enxugou a lágrima. Hoje, o sorriso é brilhoso, mas não esqueço do tempo do sorriso enferrujado”, conta o Mestre Patrimônio Vivo.

Desde que chegou em Maceió, ele sempre encontrou um lugar para propagar sua arte no Teatro Deodoro, onde já viveu grandes momentos de sua carreira como em 2000 que fez um show com Luciana Rabelo, em um duo de improviso entre flauta e cavaquinho. “O Teatro é minha casa, porque, cada passo que eu dou aqui dentro, eu lembro de alguma coisa da minha vida”, conta Chau, “eu aprendi muito aqui, essas paredes tem a acústica de minha memória”. O espetáculo Causos do Chau é uma realização da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal), que sempre estampou a honra de ser palco para o músico.

A apresentação de sexta começará às 20h, com entradas custando R$10 (meia) e R$20 (inteira), já disponíveis para compra na bilheteria do Teatro, que abre de terça a domingo das 14h às 18h. O espetáculo é uma forma de se aproximar do músico, saber de sua vida, suas experiências e sentir de perto a conexão dele com a música.  Ele garante que que além de memória, a palavra-chave do show será afeto: “Contar como a música chegou até mim, como eu cheguei à música; como o povo me abraçou e como eu abracei o povo”.

 

Serviço

Show Causos do Chau

Dia 20 de setembro, sexta-feira, às 20h

No Complexo Cultural Teatro Deodoro, no Centro de Maceió

Entrada: R$10 (meia) e R$20 (inteira)

 

*Estagiário com supervisão de Hannah Copertino

Ações do documento