Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2020 maio Tempos de ouvir: Andréa Laís e banda lançam clipe produzido virtualmente
15/05/2020 - 15h04m

Tempos de ouvir: Andréa Laís e banda lançam clipe produzido virtualmente

Cantora conta como é fazer música em meio a pandemia

Tempos de ouvir: Andréa Laís e banda lançam clipe produzido virtualmente

Andréa Laís faz parte da banda MesaSonora, que recentemente lançou um clipe, feito em casa, da música autoral “História Cantada”.

Texto de Júlya Rocha

 

Não há como negar que a velha rotina foi totalmente transformada. A corrida entre trabalho, estudos e casa virou de cabeça para baixo. Em meio à solidão causada pelo isolamento social e às medidas de quarentena impostas para a população, a música pode ser uma grande aliada.

“Acredito que fazer música é uma prática muito coletiva, uma experiência de partilha”, diz a cantora Andréa Laís. “Por isso, além das dificuldades estruturais e econômicas, comuns a várias atividades profissionais nesse momento. Nós músicos estamos enfrentando o desafio de reinventarmos maneiras de fazer música juntxs, cada um em suas casas”.

Mesmo sem a estrutura convencional, a vontade de produzir faz as ideias aflorarem. “A maioria de nós com pouca estrutura caseira para fazer uma boa gravação. A coisa boa é que a despeito de tudo isso, a gente se reinventa para sobreviver. Falo sobrevivência porque precisamos continuar fazendo músicas juntxs para continuarmos seguindo, saudáveis, respirando. Quem tem uma relação visceral com o fazer artístico sente essa necessidade. Muitas vezes intensificada em tempos de distanciamento social”, conta a artista.

 

A cantora também faz parte da banda MesaSonora, que recentemente lançou um clipe, feito em casa, da música autoral “História Cantada”. “MesaSonora é uma banda que faço parte há pouco mais um ano lá em Salvador, quando me mudei para fazer um doutorado. Nós já tocamos juntxs desde então e nos encontramos semanalmente em tempos normais. Com a pandemia, eu daqui de Maceió e eles em suas casas em Salvador, depois de algumas semanas difíceis de silêncio e adaptação, pensamos em gravar algo juntos. Matar um pouquinho da saudade”, diz a cantora que explica o processo para gravação. “Um dos membros da banda tem um bom equipamento em casa para gravação e mixagem de áudio, mas os outros três, incluindo eu, gravamos do celular mesmo, tentando um ambiente o menos barulhento possível. O processo acontece assim: alguém grava primeiro uma guia, e depois todos os outros vão gravando a partir dessa guia suas participações na música. Juntamos os áudios e mixamos. Primeira etapa concluída. Depois gravamos vídeos fazendo a mesma coisa, mas desses vídeos só usamos as imagens, sem o som. Um grande parceiro da banda fez a edição final juntando os nossos vídeos caseiros e o áudio com a música”. O vídeo pode ser conferido no link https://www.instagram.com/p/CAEd5Xrps7O/


Acumulando 10 anos de carreira musical, Andréa Laís já é veterana nos editais lançados da Secretaria de Estado da Cultura (Secult/AL). “Os dois projetos mais marcantes pra mim que participei da Secult foram o I Festival Em Cantos, que além da premiação em segundo lugar, foi uma experiência muito rica, muitos aprendizados nos encontros proporcionados pelo festival. E outra boa lembrança foi a Virada Cultural em 2017, que participei um pouco antes de lançar o meu primeiro disco, e acabou sendo a primeira apresentação em palco com os arranjos finais do álbum Solar, com a banda completa”, conta a cantora que também aguarda o resultado do edital emergencial do Festival Dendi Casa Tem Cultura.

 

Edital Emergencial

 

Lançado pela Secult como forma estimular a cadeia da economia criativa de Alagoas fomentando a produção cultural no Estado durante o período de medidas restritivas de prevenção ao novo coronavírus, tais como a suspensão de atividades culturais, o edital do Festival Dendi Casa Tem Cultura recebeu 592 inscrições para as 340 vagas disponíveis.

O certame se apresenta na modalidade de “credenciamento” e tem de fluxo contínuo. “Nosso intuito é gerar renda, e oferecer arte e cultura gratuita à população durante o período de quarentena causada pela Covid-19, sem oferecer riscos à saúde, incentivando os alagoanos a ficar em casa”, declarou a secretária Mellina Freitas. O certame se apresenta na modalidade de credenciamento e tem fluxo contínuo. As apresentações serão online com duração mínima de 40 minutos e máxima de uma hora, com uma programação criada entre a secretaria e os artistas selecionados. O resultado final está previsto para o dia 22 de maio.

Ações do documento