Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2021 DEZEMBRO A maestria na Xilogravura de J.Borges na nova exposição do Complexo Cultural Teatro Deodoro
06/12/2021 - 14h11m

A maestria na Xilogravura de J.Borges na nova exposição do Complexo Cultural Teatro Deodoro

Vida e obra, do papel para madeira até às telas: mostra trará 40 obras do artista, que é patrimônio imaterial de Pernambuco; e ficará em cartaz de 9 de dezembro a 14 de janeiro

A maestria na Xilogravura de J.Borges na nova exposição do Complexo Cultural Teatro Deodoro

Texto de Paulo Canuto*

Natural de Bezerros, José Francisco Borges, conhecido artisticamente como J. Borges, é um mestre na arte da Xilogravura, tanto que lhe rendeu o título de “Patrimônio Imaterial de Pernambuco”, tendo obras suas expostas e exportadas para várias partes do mundo. É com este rico e belo trabalho que a Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal) abre a temporada de exposições selecionadas em seu edital para ocupação da Galeria de Artes do Complexo Cultural Teatro Deodoro.

Com curadoria de Ângelo Filizola, J. Borges – O Mestre da Xilogravura entra em cartaz na próxima quinta-feira (09/12), às 9h, e ficará aberta até 14/01/2022. As visitas podem ser feitas de segunda a sábado, das 8h às 18h, e, aos domingos e feriados, das 14h às 17h com entrada gratuita. A galeria só não abrirá nos dias 24, 25 e 30 de dezembro e 1º de janeiro, devido às festas de fim de ano.

"É com muita satisfação que recebemos a exposição do artista J. Borges, autor de um lindo e importante trabalho, que dialoga com a cultura popular nordestina e preserva uma técnica tão interessante - a xilogravura. Parabenizamos o artista, cuja proposta foi contemplada em edital, e convidamos o público para prestigiar a exposição", observou a diretora-presidente da Diteal, Sheila Maluf.

Educadores podem agendar as visitas guiadas para grupos de escolas e instituições sociais por telefone: (82) 3315-5660 e 98884-6885 ou por e-mail: escolasditeal@gmail.com . O agendamento, assim como a visita, também é um serviço gratuito.

"É uma alegria muito grande estar colocando em cartaz a primeira exposição oriunda de nosso edital, que teríamos feito em 2020, mas teve que ser adiada por conta da pandemia. E trazendo um grande nome de Pernambuco e do Brasil, J. Borges, reconhecido internacionalmente com seu trabalho de xilogravura. Essa exposição traz um conhecimento prático de como essa arte é reproduzida. É um crescimento para a galeria estar se abrindo inclusive para artistas não só do estado, trazendo outras referências", destaca Alexandre Holanda, gerente artístico cultural da Diteal.

Alexandre além de convidar todos a participarem desta exposição, já faz o convite para as próximas, "sintam-se todos convidados para essa exposição e nós já temos pautadas exposições até o mês de julho do ano que vem", conta.

A exposição já percorreu seis cidades brasileiras: São Paulo, Brasília, Salvador, Fortaleza, Recife e Curitiba e agora desembarca em Maceió. A mostra traz uma coletânea de 40 xilogravuras, sendo 10 inéditas com suas matrizes, em outras palavras são as telas base, na madeira,  onde o artista grava as imagens antes de mandar para a impressão. A produção geral é da empresa Cactus Promoções e Produções Eireli-ME.

“É uma exposição muito importante, deste que é um dos maiores artistas da xilogravura do mundo, vale muito a pena visitar essas obras. Você vai sair com os olhos coloridos porque é uma exposição muito alegre. Eu posso definir que essa exposição reúne as principais obras de J.Borges” conta Ângelo Filizola, curador da exposição.

Na mostra, os visitantes poderão conferir obras que retratam diversas fases da história de J. Borges, considerado pelo dramaturgo Ariano Suassuna como o melhor gravador popular do Brasil. Temas como: “No Tempo da Minha Infância”, “Na Minha Adolescência”, “Vendendo Bolas Dançando e Bebendo”, “Serviços do Campo”, “Cantando Cordel”, “Plantio de Algodão”, “A vida na Mata”, “Plantio e Corte de Cana”, “Forró Nordestino”, entre outras.

"Estou muito alegre com essa exposição sobre meu trabalho na xilogravura. Eu ainda quero viver bastante. O que me inspira é a vida, a continuação, o movimento. É aquilo que eu vejo, que eu sinto", afirma J. Borges. 

Cordelista há mais de 50 anos, os versos de J. Borges tratam do cotidiano do agreste, acontecimentos políticos, fatos lendários, folclóricos e pitorescos da vida. A mostra trará ainda obras assinadas por J. Miguel e Bacaro Borges, filhos e aprendizes do artista, além da exibição de uma cinebiografia sobre vida e obra do artista, assinada pelo jornalista Eduardo Homem.

J. Borges desenha direto na madeira, equilibrando cheios e vazios com maestria, sem a produção de esboços, estudos ou rascunhos. O título é o mote para Borges criar o desenho, no qual as narrativas próprias do cordel têm seu espaço na expressiva imagem da gravura. O fundo da matriz é talhado ao redor da figura que recebe aplicação de tinta, tendo como resultado um fundo branco e a imagem impressa em cor. As xilogravuras não apresentam uma preocupação rigorosa com perspectiva ou proporção.

A originalidade, irreverência e personagens imaginários são notáveis nas suas obras. Os temas mais populares em seu repertório são o cotidiano da vida simples do campo, o cangaço, o amor, os castigos do céu, os mistérios, os milagres, crimes e corrupção, os folguedos populares, a religiosidade, a picardia, enfim todo o rico universo cultural do povo nordestino.

“Se eu pudesse definir em uma palavra essa exposição seria: Imperdível”, finaliza Ângelo.

 

Serviço:

Exposição J. Borges – O Mestre da Xilogravura

Abertura: Quinta-feira (09/12), às 9h.

Visitas: Até 14/01/2022, de segunda a sábado, das 8h às 18h, e, aos domingos e feriados, das 14h às 17h com entrada gratuita. *O local estará fechado somente nos dias 24, 25 e 30/12 e 01/12, devido às festas de fim de ano.

Agendamento de escolas e instituições sociais: 82) 3315-5660 e 98884-6885 ou por e-mail: escolasditeal@gmail.com .

Endereço: Rua Barão de Maceió, 64 – Centro – Maceió/AL.

*Estagiário com supervisão de Hannah Copertino.

Ações do documento