Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Maior ícone da cultura alagoana é sinônimo de pluralidade e democratização
13/11/2015 - 08h45m

Maior ícone da cultura alagoana é sinônimo de pluralidade e democratização

Teatro Deodoro completa 105 anos e acumula apresentações de grandes nomes da cultura regional e brasileira

Maior ícone da cultura alagoana é sinônimo de pluralidade e democratização

Teatro Deodoro é um dos maiores patrimônios culturais do povo alagoano. (Foto: Thiago Sampaio)

Texto: Rafaela Pimentel

Fotos: Thiago Sampaio

Música, dança, teatro e representações culturais dos mais diversos estilos em um espaço onde a arte e as pessoas são os grandes protagonistas do espetáculo. É assim que há 105 anos, o Teatro Deodoro se consolida no cenário alagoano como um dos maiores patrimônios artísticos do Estado. Um ambiente de possibilidades para artistas locais mostrarem seu trabalho, ganhando também ao longo da história projeção na vida cultural do país.

Quando a famosa cortina vermelha do teatro se abre, a hora é de entretenimento e admiração. O palco se transforma em um lugar plural, dando vida a manifestações culturais das mais diversas representações e estilo. Desde 15 de setembro de 1910 - data de sua inauguração - até hoje, já passaram pelo local grandes nomes da cultura regional e brasileira, além de espetáculos produzidos por companhias de diversos estados do país.

“O Teatro Deodoro é o maior ícone da cultura alagoana. Nós acreditamos muito que a cultura é para todos; nossa principal proposta é popularizar e democratizar o acesso às diferentes manifestações culturais. E nesse sentido, o Governo de Alagoas tem se empenhado para manter as atrações periódicas, deixando ativos os equipamentos culturais do Estado”, destaca a presidente da Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal), Sheila Maluf.

Em mais de cem anos de história, a ribalta do Teatro Deodoro protagonizou eventos memoráveis na vida cultural e artística dos alagoanos. Não faltou espaço para dar voz aos diferentes grupos que surgiam no Estado, os artistas se multiplicavam e junto com eles a vontade de levar modalidades culturais variadas para o público. De shows, concertos musicais e corais às apresentações de ballet, jazz e recitais, o teatro sempre foi um espaço de diversidade popular. 

 

Acumulando experiências em quase todos os gêneros artísticos, já subiram no palco do Teatro Deodoro grandes personalidades como os atores Ney Latorraca, Lima Duarte, a alagoana Linda Mascarenhas e cantores como Peninha, Morais Moreira, Junior Almeida e Mácleim Carneiro. Para este último, o lugar tem uma lembrança especial: foi o espaço onde o cantor alcançou o entendimento da sua impressão de arte.

 “O teatro tem muito a ver com minha vida. Foi lá que eu tive o primeiro contato com a minha vocação, ser músico. A partir daí eu mudei o rumo da minha vida e passei pelas minhas maiores e melhores emoções, consegui proporcionar ao público o melhor que eu pude entregar de mim. Costumo dizer que o Teatro Deodoro é uma grande mãe, um espaço que respira arte e continua engrandecendo as pessoas com muita cultura”, revela o cantor alagoano, Mácleim Carneiro.

 Na dança, o teatro também não passou despercebido e até hoje é considerado a segunda casa de muitos artistas alagoanos. Seja através dos espetáculos, da emoção da primeira apresentação ou da magia por trás das coxias, há mais de 30 anos o Teatro Deodoro faz parte da vida da bailarina Eliana Cavalcante.

 “Tenho uma ligação profissional, mas também familiar com o Teatro Deodoro. Morava em Recife e desde criança quando visitava Maceió meu avô e meu pai, que tinham uma forte relação com a arte e cultura, sempre me levavam ao teatro e eu ficava fascinada. Eu desenvolvi um amor por ele, o Teatro Deodoro tem aquela áurea especial, carrega muita história e emoção para quem passa por lá. Desde que eu vim morar em Maceió e montei minha companhia eu nunca deixe de apresentar no teatro, é um lugar mágico”, relembra a bailarina Eliana Cavalcante.

 Programação Cultural

No ano em que completa 105 anos, o teatro comemora também a consolidação de uma programação semanal popular fixa na agenda dos alagoanos. Além de projetos como o “Teatro Deodoro é o Maior Barato”, que recebe sempre às quartas-feiras espetáculos local a preços acessíveis; a “Quinta Sinfônica” movimentando a última quinta-feira de cada mês com espetáculos de música erudita gratuita para todos, o teatro também é palco de diferentes modalidades culturais, como exposições, clube de jazz, ensaios de orquestra, além de várias produções de dança, teatro e música.

 

 

Comemoração

A Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal) montou uma programação comemorativa em homenagem aos 105 anos do Teatro. Desde segunda-feira (9), artistas e grupos alagoanos sobem ao palco para celebrar a data.

 Nesta quinta-feira (12), a partir das 17h, a Associação Joana Gajaru, apresenta na Praça Deodoro o seu mais novo espetáculo “Fritzmac” com direção de Lindolfo Amaral. Já na sexta-feira (13), é a vez da Associação Teatral das Alagoas (ATA) entrar em cena com a peça “Princesinha e o Dragão Malvado”, de Lauro Gomes e Mácleim. As apresentações acontecem em dois horários, às 15h e às 19h30, com entrada franca.

No dia 14, a programação segue com o show do cantor Júnior Almeida, a partir das 21h, no Teatro Deodoro. Para encerrar a semana comemorativa de fundação do teatro, foi convidado o cantor, compositor, forrozeiro, economista, comendador e  cantador de hinos, Eliezer Setton, que comanda o show a partir das 20h.

Ações do documento