Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Projeto O Mestre Vai à Escola é destaque na programação do Mês do folclore
17/08/2017 - 09h25m

Projeto O Mestre Vai à Escola é destaque na programação do Mês do folclore

Exposições e troca de experiência complementam atividades promovidas pela Secult

Projeto O Mestre Vai à Escola é destaque na programação do Mês do folclore

Mestre Pancho, Ronaldo da Costa, que lidera o grupo de Fandango do Pontal, compartilha suas experiências com alunos da Escola Princesa IsabelAscom/Secult

Texto de Júlya Rocha com Ana Paula Lins

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), promove, neste mês de agosto, uma programação especial em comemoração ao Folclore, celebrado no dia 22 em todo o Brasil. 

 

Diversas ações foram idealizadas pela Secult e serão realizadas em Maceió e nos municípios de Coqueiro Seco, Coruripe e Água Branca. Na capital alagoana, uma exposição vai dar início às comemorações no Estado, e, além disso, escolas no bairro do Benedito Bentes e no Centro de Estudos e Pesquisas Aplicadas (Cepa), serão contempladas com as ações do mês do Folclore.

 

Este ano, a programação conta com o Projeto O Mestre Vai à Escola, que levará os mestres do Registo do Patrimônio Vivo para compartilhar suas experiências com os alunos de escolas públicas do estado.

 

FOLCLORE E EDUCAÇÃO: PROJETO MESTRE VAI À ESCOLA

 

O Mestre Pancho, Ronaldo da Costa, que lidera o grupo de Fandango do Pontal, compartilhou, nesta quinta-feira (18), suas experiências com alunos da Escola Princesa Isabel, no Cepa. “É de extrema importância levar os folguedos às escolas, pois cultura é hereditária, temos que passar a frente, e o meu papel é não deixá-la cair”, conta o Mestre.

 

A secretária de Cultura, Mellina Freitas, ressalta que as ações pretendem divulgar ainda mais a cultura no estado de Alagoas, rico com seus variados folguedos, provocando assim uma sensação de pertencimento nos alagoanos.

 

Juliana Amorim, diretora do Centro de Artes e Medicações Culturais da Secretaria de Estado da Educação (Seduc/Camec) destacou a importância da parceria entre as duas secretarias. “A vinda dos mestres possibilita o resgate das tradições e a disseminação da cultura alagoana junto aos estudantes da rede pública estadual”, afirma.

 

Pensamento similar ao de Sônia Suely, diretora da Escola Estadual Princesa Isabel. “Muitos jovens ainda desconhecem os folguedos alagoanos e este contato com os mestres permite o despertar desta curiosidade e o desejo de conhecer melhor a nossa cultura”, complementa a diretora.

 

Alef de Araujo, aluno da 3ª série do Ensino Médio da  Escola Princesa Isabel, teve a oportunidade de dançar com os mestres do Fandango do Pontal e aprovou a experiência. “Esses momentos são muito importantes, pois eu mesmo não conhecia o que era o fandango e hoje eu dancei com os mestres e isso resgata muitas coisas que não conhecemos”, frisa o estudante.

 

Confira a programação completa em Maceió:

 

PARQUE SHOPPING MACEIÓ

DIA 21 A 31 DE AGOSTO 

Exposição "Mundaú: Uma terra chamada Alagoas"

DIA 22 DE AGOSTO 

 19h – Apresentação do Pastoril Coração de Jesus

DIA 23 DE AGOSTO 

19h – Contação de História do Ciranda de História 

DIA 24 DE AGOSTO 

16h- Coletivo Cultural Nossa Gente Alagoana

DIA 25 DE AGOSTO 

19h – Apresentação Coco de Raiz

DIAS 26 E 27 DE AGOSTO 

Oficinas de Bonecos de Barro e Chapeu de Guerreiro no Espaço Kids

 

CEPA

DIA 17 DE AGOSTO 

09h30 – Oficina de Fandango na Escola Princesa Isabel

15h30 – Oficina de Guerreiro na Escola Laura CEPA

DIA 18 DE AGOSTO 

10h00 – Culminância no Ginásio do Cepa/CDR (Apresentações folclóricas e contação de história)

15h30 – Culminância Ginásio do Cepa/CDR (Apresentações folclóricas e contação de história)

 

BENEDITO BENTES

DIA 21 DE AGOSTO 

14h40 – Oficina de Pastoril na Escola Rubens Canuto

15h40 – Oficina de Fandango na Escola Marcos Antonio

DIA 22 DE AGOSTO 

14h30 – Culminância no Pátio da Escola Marcos Antonio (Apresentações Folclóricas e contação de história)

Ações do documento